quinta-feira, 18 de novembro de 2010

À meia luz

Meia noite. Nada para pensar, nada para fazer.
O computador está ligado. O barulho que faz enche todos os cantos da casa. Sozinho. Perdido no escuro. O vento bate na janela, parece querer entrar, como um ladrão invadindo uma casa sem cautela. A tela do computador está em branco. O cursor pisca na tábua branca onde minhas ideias deveriam estar. Não há ideias, não há inspiração.
Quietude, meus sentidos se apuram, querem perceber algo digno de ser escrito. Cada barulho passa a ser ouvido. Pingos das torneiras, passos de cães na cerâmica, latidos, pequenos estalos. O que há lá fora? É noite e estalos ao redor da casa não deve ser boa coisa.
O que há lá fora? Tento voltar, a busca pela inspiração achou o medo.
Sim, os estalos e o arrastar de correntes. Mas não havia correntes!
O que há lá fora?
Me concentro no computador, a curiosidade de saber das coisas fora das quatro paredes que me cercam me leva ao medo. Tento fugir do medo , mas me vejo sozinho.Como se vence sozinho?
Não quero dormir, e se existe mesmo algo lá fora? Se eu dormir não saberei o que vai acontecer.E conseguirei cair no sono por acaso?
O relógio demora, quando é que vai terminar mais uma volta? Tic, tac, tic, tac......está contando o tempo dos estalos? Onde foi que que deixei a corrente de minha cadela?
Não vou lá fora!
Vou me deitar. Vou pensar e, outras coisas até cair no sono. Mas há alguma coisa lá fora? Será que há mais coisas aqui dentro do que lá?
Tic-tac, estalos, janela, correntes.......

Um comentário:

Aline Moschen disse...

Acabei de passar por uma situação igualzinha. Estava em frente ao computador quando decido ir à cozinha beber água. Me deparo com a porta do apartamento aberta, escancarada. São 03:40 da manhã.
Saio correndo, me deito, me cubro com o edredon e fico aflita debaixo da cama. " O que há lá fora?" É uma das piores perguntas que alguém pode fazer na madrugada.
Crio coragem depois de uns 5 minutos tremendo de medo. Vou correndo até a cozinha, fecho a porta. Não há nada.
Dou um suspiro de alívio antes de voltar pro computador e ler seu texto. haha.
Coincidencia, não?
Beijinho