segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

O balanço das árvores

Entenda o balançar da floresta

Os vultos retorcidos por entre a névoa, folhas que alcançam o céu.Causam-me tanto medo ao mesmo tempo que convidam-me a me aproximar.O cerco da névoa parece tentar me impedir de entrar, mantém o medo úmido em minha alma.Lentamente meus passos me guiam rumo a ela, a multidão de formas e segredos.As velhas árvores parecem tentar manter um baú cheio de histórias às escondidas, em algum lugar.As cascas enrugadas inspiram respeito e remetem minha mente ao passado, buscando pequenos contos com finais vagos.Sento-me, deixo que a névoa acaricie todo o meu corpo, não preciso estar de olhos abertos, talvez eles aumentem meus medos.Estão fechados, apenas meus ouvidos procuram sinais.Uma paz estranha invade-me, toma o lugar do temor.Sinto que o passado está entrando em cada orifício de meu corpo.Uma brisa leve move as árvores, como boas aprendizes não se sentem orgulhosas a dobrar seus galhos diante a altivez do vento.Os cabelos verdes movem-se junto, sonoras palavras que contam-me suas histórias, clamam a vida, contam-me sobre a morte, relembram momentos felizes.Percebo, enfim, que não devo temer.Todas as histórias são importantes, cada uma com seu significado único.Entendi o que elas diziam.Não se precisa temer do que vem a frente, são apenas mais histórias que as árvores guardarão em baús, para que os próximos que tenham a paciência de ouvir, escutem histórias como eu as escutei.
JBC

Obrigado Thata pela música......adorei......Ajudou muito mesmo....;*

2 comentários:

Neverland disse...

De nada....
ficou mto lindooo

Bjão

Nell disse...

Ah .. tão mágico.
nem dá pra explicar a sensação de sonho que seu texto me trouxe .
então vai uma carinha mesmo *___*