segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Um não sei....


Sentei-me em frente a essa máquina de escrever, é, quanto tempo eu não mexia nessa velharia, era um bloqueio constante e o computador estava mais atraente.Um universo dentro de uma máquina, é uma invenção que deve ser apreciada, até que ela te enjoe, isso é lógico. A fumaça do cigarro invade minhas narinas, preenchem meus pulmões, ela tem cheiro de doença, mas eu nem me importo.Logo a minha frente uma cama, ela está preenchida do meu amor, o que acabei de oferecer a uma mulher, a conheci algumas horas atrás, mas o que importa? Entrego-me com vontade e pulo fora rápido. Ela é muito bela, amassa os lençóis com vigor de um animal. Uma das melhores que conheci, já estive com muitas... Um vasto guardado de sentimentos e experiências, não que eu seja velho, apenas tive mais oportunidades de experimentar as coisas desse mundo.

Lá fora chove, a água escorre pelo vidro da janela, isso faz o quarto parecer mais aconchegante, isso me amedronta.Ela ainda está lá, na cama, enrolada em lençóis brancos e amassados, os cabelos desarrumados, contudo incrivelmente lindos, como se os defeitos a enfeitassem da mesma forma.O cheiro de uísque ainda persiste em sua boca, agradeço por não ter medo de bebida, tive até mesmo coragem de beijá-la de manhã. Meus dedos pressionam as teclas da máquina, mecanicamente, pois minha mente está nela, meus olhos ainda não a deixaram, estou revezando os olhares e ela simplesmente não vê isso, não que eu queira muito, talvez fosse legal. Acabei meu cigarro, não fedi a roupa com esse triste aroma, estou nu.Estou rindo das minhas frases, rindo ainda mais do nada que estou escrevendo, apenas senti vontade de colocar coisas no papel, não sei o que houve!......
Sei sim, ela.
Fiquei olhando a máquina por um tempo, pensando sobre o que eu estava fazendo sentado à frente dela, eu já sabia, melhor, eu sei. Na verdade, eu não gostaria de assumir, é muito assustador, apesar da fragilidade do assunto ele me amedronta mais do que a morte que o cigarro possa causar.A chuva ainda não parou, ainda há aquele clima de aconchego no ar do meu quarto, o barulho nostálgico da máquina de escrever aumenta ainda mais esse sentimento.Ela se moveu três vezes, fez uns barulhos estranhos enquanto se mexia, eu não agüentaria viver com ela o resto da minha vida se ela fizer esses barulhos sempre. Será? Droga! As idéias estão pulando dos meus dedos, só tomarei conhecimento do que escrevi depois que parar e ler o texto. Acho que vou voltar para a cama, está convidativa. Mas talvez eu fique olhando até para ver quando ela vai acordar, saio antes que ela perceba e ficará tudo bem. Ela está se esticando na cama, são movimentos sedutores.........droga, vou para a cozinha !.......Não sei o motivo pelo qual escrevi isso....

Um comentário:

Nell disse...

fiquei uns (muitos) dias sem vir por aqui . e quando volto a minha rotina me deparo com o visual novo e a mesma essência que tanto me encanta .
é bonito . gosto de ler textos assim .. desse jeito que eu não sei explicar e que fazem aumentar as borboletas invasoras do meu estômago :D
beijo