domingo, 21 de fevereiro de 2010

Dor de não escrever.

Num canto de papel em branco
Palavras saem sem encanto
Rimas vazias, ideias sem graça

Vontade de escrever não falta
Mas a inspiração que transforma
Inalcansável, anda tão alta

Palavras de pouco sentimento
Breves dizeres enchem o papel
São apenas marcas no cimento
Eles só vêem, mas não enxergam

Pobre escritor de versos
Sem musa, sem objeto
Espera inspiração dos ventos
Enquanto vagas ideias não passam de dejeto.

Um comentário:

Neverland disse...

pois é... e quem já não passou por isso
u_u
e eu continuo nesse ritmo
de vazio e nada