quarta-feira, 16 de junho de 2010

Mãe das águas

As ondas cálidas de seu ventre
Ensandecem-me a razão

As cachoeiras de seu colo
Tiram-me a atenção

Como uma barca perdida
Sem rumo em seus rios
Aguardo seus anseios

Desejos de conduzir-me
À nascente de suas águas
Ao belo azul vítreo
Coração de Iara.

Um comentário:

Nell disse...

Que o destino seja alcançado .. e que o encantamento permaneça.
Que essa Iara não tenha as mesmas intenções que a folclórica.

Um prazer te ler! Sempre! (=